30 jul

Benson: It’s not going to work between us
Eckerson: Why not?
Benson: Because I have enough insanity in my life, I need stability.

Law & Order: Special Victims Unit

sábado, 02:17

17 jul

Daí falo e falho e me complico e te envolvo e nos prendo em um laço frágil demais. Quero sua cama e suas mãos e sua boca, quero você aqui comigo ou eu aí com você e dias inteiros cheios de horas infindáveis e momentos e cheiros e gostos e calma. Aquelas velhas paredes azuis continuam sendo nossas mais fiéis testemunhas e não revelam a ninguém nossos pecados e nossos silêncios e todo o amor que às vezes nasce e fica ali naquela cama bagunçada. Não tenho mais total controle, meu bem. E quando foi que consegui manter rédeas curtas quando era você quem completava meus dias? Nunca e mais uma vez. Você me pede pra não ir embora, pra não fugir de novo, mas se não posso ter o que quero, pra que insistir? Pra que insistir? Corri demais e acabei aqui de novo e cada vez que volto parece doer mais pra partir. Não quero abrir mão disso tudo e isso tudo nem é meu de verdade, quero devorar, não existe palavra que resuma melhor minhas vontades.

Quereres (I)

18 jun

Queria dizer que não é só o seu toque que levanta em mim todos os pêlos, que faz cada pequena parte de mim querer todo você. Queria não conhecer alguém tão eu, sempre sei o que quer dizer quando não quer me dizer. Tive medo, esse medo normal e besta de mostrar demais e espantar quem ama. Não afirmo que amo, mas já te amei algumas vezes. Não prometo estar sempre ali, sentada, esperando. Por mais que me doa, por mais que meus olhos não parem de vazar, eu vou continuar caminhando. Vou pensar no passado, vou querer de volta tudo o que já me fez bem um dia, vou querer meus dias de ouro mais uma vez… Mas esperar não vou.

Queria não pensar tanto assim e queria muito, muito mesmo, me interessar por outras pessoas. Queria alguém que chegasse e se prendesse a mim e não me largasse nunca! Sei que enjoaria, sei que muito dificilmente gostaria desse alguém, mas queria. Queria uma cama e gemidos altos sem vergonha alguma. Queria ver graça em imaginar tais coisas com outros personagens. É tudo tão draminha sempre, é tudo tão meu filme água-com-açúcar particular, é tudo tão história clichê já contada mil vezes.

Queria não ter medo algum de dizer “ou me tem por inteiro ou não me tem” e queria toda a coragem necessária pra cumprir com a minha palavra quando você fizesse a escolha errada. Queria parar de acordar todas as manhãs cantando Smiths e sei que isso só vai acontecer quando me deixarem ter o que quero. Queria parar de ter essa urgência pelas palavras, queria não sentir tanto, não ser tão doída. Mas é o que li em algum lugar dia desses: “eu sou do peso. eu sou daquilo que dói. eu sou exatamente desse jeito (…) eu sofro de humanidade.”

domingo, 00:07

30 maio

Estava aqui pensando em fazer um post explicando esse mau humor que assola a nação, mas cadê paciência pra isso?

quinta, 16:08

20 maio

Já não tenho um remetente, querido. Na verdade nunca tive, escrevo pra ninguém ler, escrevo pra depois reler e só, e guardar talvez. Mas o que quero dizer (e não quero realmente) é que não tenho mais ninguém em mente quando sinto a já familiar urgência de escrever. Nos textos mais recentes, nos últimos rascunhos, pensei em uma pessoa a cada palavra, mais ou menos. Tem sido assim, penso em mil e em nenhum e acho desnecessário escrever o que já foi dito por outros. Tudo já foi dito, sentido, lido, escrito, tudo já foi inventado e eu tô aqui, cumprindo meu papel, sendo mais um clichê.

Não tenho mais muito a dizer além da saudade, clássica, típica saudade. Se hoje fico em casa e tenho sono cedo, já tive meus dias de diversão exagerada, de amnésias alcoólicas, de decisões impulsivas e todas essas pequenas loucuras que, hoje, me despertam uma saudade imensa. Essa semana tem sido dedicada à falta que sinto de um ex-companheiro de aventuras. Quando não tô pensando em nada, lembro de alguma maluquice que fizemos juntos. Não consigo dizer nada sobre ele, mas é como se cada momento que eu me lembro tivesse sido irreal de tão incrível… E hoje nem nos falamos. É aí que entra aquela breguice de dizer que tal autor fala por mim, mas preciso terminar dizendo que:

Algumas vezes eu fiz muito mal para pessoas que me amaram. Não é paranóia não. É verdade. Sou tão talvez neuroticamente individualista que, quando acontece de alguém parecer aos meus olhos uma ameaça a essa individualidade, fico imediatamente cheia de espinhos e corto relacionamentos com a maior frieza, às vezes firo, sou agressiva e tal.

15 maio

Eu devo estar ficando louca. Tô mesmo, tô perdendo o contato com a realidade. Meu único compromisso é ir à terapia uma vez por semana. Saio de casa uma vez por semana! Nos outros dias levanto e vou dormir e no tempo entre um e outro fico fazendo nada online. É o que tem pra hoje. E pra amanhã. E depois.

Um dia eu vou sentir falta de todo esse tempo livre, claro,  mas já cansei de todo esse descanso. E o período (normal) de férias nem começou ainda, porra!

Hoje é sábado e eu vou ficar em casa. Sabe por que? Porque eu gastei dinheiro com táxi semana passada e tô só com 3,50 na carteira. Tá achando que é lindo ficar sem fazer nada? Que você ia sair toda noite, beber muito e trepar com meio mundo? Na verdade eu passo o dia todo vendo seriados e twittando. Bonito, né? Grandes bosta.

Das decisões

15 abr

Eu sou perdida.

É simples assim, uma frase. Mas é uma merda de uma complicação imensa.

Eu não estou perdida. Antes fosse! Eu SOU. Não me lembro de uma época em que eu fosse mais certa, acho que já nasci assim meio fora do eixo.

Eu não sei do que realmente gosto. Eu não sei o que realmente quero. E se você é assim e é ok quanto a isso, MEU FILHO, qual é o seu problema? Aliás, melhor ainda: como você faz pra conseguir conviver com isso sem surtar e desistir de tudo? Porque foi isso que eu fiz.

Eu chorei calada e chorei sem entender e chorei confessando e chorei em casa e chorei em público. E, enquanto isso, eu decidi. Finalmente, finalmente uma decisão tomada: eu desisto.

E este é meu texto de adeus, porque foi bom no começo, mas foi insuportável depois.

E amanhã de manhã eu vou acordar e me arrumar e pegar a van, mas ao chegar na faculdade vou até a secretaria informar que desisto do curso.