Arquivo | aleatoriedades RSS feed for this section

dos dias

6 jan

não me importam as caras feias e as dificuldades, é quando me deito ao seu lado e sinto seu calor se tornar nosso que tenho a certeza: não troco por nada.

Anúncios

do amar

20 out

não sei se amar tem um jeito certo e já pensei nisso algumas vezes, li e vi amor por aí, mas nunca soube se o amor de um é igual ao amor do outro. não sei se todos sentem frio na barriga e chamam isso de amor, não sei se todos esquecem do medo de se envolver com o outro e chamam isso de amor. não sei se amor é um só ou se é de cada um.

durante muito tempo imaginei como seria o meu amor. vivi de amores unilaterais, amores silenciosos, amores sinônimos de auto-sabotagem. nunca precisei de outro alguém pra quebrar meu coração, é verdade, nisso sempre fui auto-suficiente.

agora vejo que o meu amor deve ser essa magia que transforma os domingos em dias adoráveis. deve ser essa saudade que começa antes mesmo da despedida. deve ser essa vontade de sorrir com o sorriso do outro. o cheiro que fica na pele. as mãos que passeiam livres. andar com os dedos entrelaçados. deve ser a segurança do supernatural nosso de cada sábado. o almoço nosso de cada sexta. deve ser o silêncio enquanto nos olhamos. os gemidos das pernas da cama. deve ser quando me sufoco de tanto rir das cócegas provocadas pela sua barba. deve ser a sequência de beijinhos infinitos. os apelidos bonitinhos. as declarações inesperadas.

deve ser. é.

30 set

“a verdade é que a vida é o gráfico de uma senóide. cheio de cristas e vales.” post-it da aula de ondulatória

mix

29 set

28.09.10: pensei na saudade que sinto da recente abandonada arquitetura. o primeiro período e a euforia da novidade, as tardes vigiando exposição e entregando certificados, a maluquice do fim do semestre. o segundo período e a incerteza, a falta de vontade e de entrega, os choros e a desistência. lembrei dos amigos que lá fiz e de como os quero bem. pensei nesse céu preto-avermelhado e nas primeiras chuvas. olhei pela janela. senti o cheiro da chuva se misturar ao perfume que faz meu cotidiano mais aturável e ali, naquele momento, não tive medo.

29.09.10: às vezes tudo parece tão imensamente distante. lembro claramente de momentos que aconteceram há anos e tenho a sensação de já estar longe demais de dias que aconteceram há menos de três meses. é o tempo psicológico e suas pegadinhas, é essa vida que passa tão rapidamente que tenho vontade de agarrar o agora e só largar quando estiver cansada.

segunda, 15:21

30 ago

Nós temos os mesmos demônios. Temos a mesma intensidade, a mesma imensa carga dramática que transforma cada dorzinha em um machucado aberto, profundo, que lateja. Queria poder te largar aqui e continuar andando sem olhar pra trás, mas é certo que não consigo mais viver sem te odiar pelo menos uma vez a cada dia. Queria tirar esse nó da garganta pra gritar bem alto esse amor que já não cabe escondido.

Quereres (II)

27 ago

De repente aquela idéia estúpida de mudar pro Chile e viver de amor pareceu incrivelmente viável. Mais uma daquelas vontades que vêm e somem em questão de minutos. Vontades tão intensas que quase me quebram ao meio, mas incrivelmente voláteis.

sábado, 21:36

21 ago

– Sabe como eu sei que sou idiota? Eu sei que sou idiota porque tô chorando por medo de enlouquecer. Tem coisa mais idiota? Você vai rir e falar que eu já sou louca e me mandar relaxar… É nessas horas que mais sinto falta dos meus amigos.

– Eu já tive isso e chorei também, então não vou falar nada. É melhor pensar que não está enlouquecendo ou simplesmente não pensar.

– É essa falta de contato com a realidade dos outros que me deixa assim, acho. Vivo só aqui, só em mim… Isso nunca fez bem a ninguém. Me acostumam com os melhores amigos do mundo, me acostumam a vê-los praticamente todos os dias durante três anos e depois me jogam nessa bosta de vida sozinha… E ainda querem que eu continue sã!